1 de janeiro de 2009

Aluminium







São 22:35.
Tiq taq tiq tac. E é somente uma passagem. Uma pontinha momento para uma mudança numérica que neste caso específico implica a responsabilidade de mais uma unidade registo acrescida ao processo de criação e pesquisa em prol do belo processo de concepção plástica que não é mania. É doença destinada.

A escrita dactilográfica é mais rápida. Eficaz. O exercício da escrita ultimaMente tem sido feito com a mão. A caligrafia substituiu a dactilografia. Momento raro este. Tec tec prec. É quase meia noite do encerramento de de de 2008. Nunca tive um ano assim. Sou um astronauta depois de 2008. Significa isto que me sinto pronto para a exploração espacial que sempre cá esteve. Com que todos nascemos mas nem todos identificamos ou preferimos não reconhecer. Revendo bem, a viagem que foi o passado ano só tem de evoluir para outro plano. E é ai que hoje, porque ainda não posso estar contigo, me despeço com um mergulho de cabeça em 2009. Água fresca não tão fria.

5 comentários:

Natacha disse...

2008 foi, sem dúvida, um ano muito especial... em 2008 «O que "descobri" foi que a felicidade não acontece. Não resulta da sorte ou do acaso. Não é algo que o dinheiro possa comprar ou que o poder seja capaz de comandar. Não parece depender de acontecimentos externos mas sim da forma como os interpretamos. De facto, a felicidade é um estado que cada um tem de preparar, cultivar e defender. As pessoas que sabem controlar a experiência interior conseguem determinar a qualidade das suas vidas, que é o máximo que se podem aproximar do "ser-se feliz".»
Em 2008 (re)tomei as rédeas da minha vida e (re)comecei a construção da minha felicidade...
Em 2008 os nossos caminhos cruzaram-se...

Devir disse...

...especial. Especial. Muito especial.

As linhas cruzaram-se numa intercepção conectada. Dançada, celebrada. Depois ensinaste-me como ensinei o que ainda neste momento sopra por aqui e por ai. A liberdade de amar sem ter a posse de uma possessão possuida por poder. Juntos percebemos que só assim podiamos correr. E corremos.

Natacha disse...

... e continuamos a correr, aqui e agora! E continuaremos a correr mais e mais e mais 2009 adentro...

E há ventos que não deixam nunca de soprar... o vento da vida, do amor livre...

Juntos ensinamos e aprendemos...

(gosto tanto das tuas palavras... e de ti!!)

aiphos disse...

Não há muita paciência confesso...E reconfesso.
Been there, done that. E não chegou. Nunca chega.
As palavras enchem a alma Natacha, mas também deixa um vazio.

Linhas entrecruzadas, fotografias partilhadas, espelhos reflexos...memórias reavivadas...

Yes, I know.

aiphos disse...

Não há muita paciência confesso...E reconfesso.
Been there, done that. E não chegou. Nunca chega.
As palavras enchem a alma Natacha, mas também deixam um vazio.

Linhas entrecruzadas, fotografias partilhadas, espelhos reflexos...memórias reavivadas...

Yes, I know.

Mas as Photo-Graphias aprimam-se, lá isso é verdade. Haja evolução!