28 de abril de 2022

"Hello Dear Friends"

 

"...Am on my way back from Portugal now and thinking of you all, your kindness and generosity and how much I learnt from each of you! At the airport I was very happy to discover that there were still little bits of paint on the edges of my fingers that somehow I didn’t manage to wash off! That says it all - the experiences of the last couple of days will be engrained in me for ever!"

William

25 de abril de 2022

19 de abril de 2022

12 de abril de 2022

A Canção da Borboleta

 

 

2021.

Acrílica sobre tela. 100x100.

Passos pequenos, superfícies enormes. Formas veladas sobrepostas, juntas, conectadas por desejo firmado em sonho. Um processo de acrílica pintura que na sua progressão foi lenta e livre fruiu cada momento e gesto como espelho. Na revelação, no encontro do limite da sugestão das distintas leituras, no toque e interacção de cada tonalidade e volume, fluxo, fracturas, dobragens, quedas, ascensão, equilíbrios sinuosos, lucidez e verticalidade. Densidade caleidoscópica onde sutis graus de desfazamento antecipam um novo lugar. Flexíveis padrões de movimento que convergem num encadeamento de reinvenção que dissolve tempo com vagar. Beleza. Natural linguagem, que integrando todos os mecanismos de hibridação anteriores, paradoxalmente os anula num pulsar inocente que, como um recém nascido, vem envolto na diversidade de combinações que ele próprio gera. Composição dinâmica que consolida a progressão de cada posição que a antecede na abertura de um espaço para a frente em projecção de futuro, só futuro, que soltando amarras, tudo perdoa, confiando por compaixão à luz de um amor universal que avança sem percas nem competição. Natural reflexo, combinado com humilde contemplação, integrada no encontro do amor na busca da sua essência. Passos pequenos, superfícies enormes.

 

A Canção da Borboleta, quando rodada no sentido inverso dos ponteiros, devolve quatro composições:

Prelúdio. Entrega. Caudal e Concórdia.

 

***

 

Song of the Butterfly

2021

Tiny little steps, gigantic surfaces. Overlapping glazed shapes, connected together by desire writen in a dream. A painting process that slowly and freely engaged each moment and gesture as a mirror meeting the eyes of the observer, in the touch and interaction of each tonality and volume, flow, fractures, folds, falls, ascent, sinuous balances, lucidity and vertical presence. A kaleidoscopic density where subtle curtines of lectures anticipate a new structure. Flexible patterns of movement used in a chain of reinvention that embraces time slowly dissolving it.  Beauty. Natural language, which, by integrating all the previous hybridization mechanisms, paradoxically deletes them out in an innocent pulse that, like a newborn, comes involved in the diversity of combinations that it self generates. A composition that resume each moment that precedes it, opening a space forward, projecting  the future, only future free from ties with the past, forgiving, trusting with compassion in the light of universal love that evolves without loss or competition. Natural reflex, combined with humble contemplation integrated trought the re-encounter of love in search of its essence. Small steps, gigantic surfaces.

 

The Butterfly Song, when rotated clockwise, returns to observation four compositions:

Prelude. Concord. Flow and Delivery.

 

11 de abril de 2022

Isadora Dantas

 


 

pLim !
 
Além da libertação saltando os muros
Da liberdade LiLi como um eco
De notação musical enche o espaço
Contamina o ar na velocidade impossível da retina.
 
Cada respiro um folgo inesperado
Que resplandece enaltecendo
Movimento como um vento
Saracoteado no retorno de um solo
Anticiclone atlântico avanço
De pressão. Atmosfera
 
Tempo vira forma de outra maneira
Sentida
Integrada eleva o ganho do salto gasto
Cada respiro um folgo inusitado,
Poesia, cor de figurino.
 
Reflexo descomplexo
Plexo
Do ser, verdade que vi.
Terei visto? Sonhei.
Por bem.
 
pLim!

 

 

1 de abril de 2022

Matutino


Na tempestade das dúvidas, no conflito interno com o medo e desespero, na torrente de gorar a responsabilidade e expectativas que projetamos acordei cansado sem me lembrar dos sonhos...
Porém, no reconhecimento da fragilidade das nossas inquietações uma força se levanta, superamos-nos e transcendemos, disso eu sei. A coragem advém do coração, vem do ímpeto de querer viver, inflama a chama da vida, eleva-se por ela e é na entrega, no apoio mutual, na libertação do engenho criativo perante a adversidade que muitas vezes nos encontramos, que investimos o que somos mesmo e mostramos de que somos feitos. Só acredito numa melhor versão de nós mesmos que num espaço de reconhecimento se supera despido de arma duras máscaras. Reconhecendo em verdade o erro, é na compaixão que abraçamos a nossa criança ferida que validamos no resgate. Um regresso ao conhecimento de quem somos requer vagar e entrega a um simples porvir de extraordinária normalidade. Só no apaziguar da compreensão do ego podemos dobrar cabos para novos e imensos oceanos de cooperação e entendimento. Acredito em concórdia como na escuta, e, acredito nessa música por acreditar na dança do folgo compassado no desígnio do teu gesto. Gentil reacção natural na motricidade do contingente solto por livre arbítrio na celebração de uma liberdade eminente. Nossa mãe também de Terra nos proteja e por nós olhe complacente. Gratidão é força sagrada por advir de vida pela vida criação. Vem de longe e connosco nasce protegida pela árvore da vida que transportamos para as futuras gerações. Protecção. Todo o cuidar, todo o amor entregue e recebido, todo o sangue derramado, os rios de lágrimas vertidos são o legado que carregamos, a transferência que elevamos para as futuras gerações. Somos a origem que honra o passado e com conhecimento perdoa sem ódio e progride em amor ao acordar.