13 de setembro de 2012

Girassóis certos.




Uma tela, um porto antigo, uma História, uma paleta de todas as cores, uma mensagem de Liberdade no seu natural e honesto exercício. Abstracta? Real. Possível.
Um filme dedicado a todos os girassois que desesperadamente carregam preserverança e esperança neste tão bem plantado jardim que ardeu outra vez. Temos as sementes. Venha vento. Venha água!

***
Making off but on a painting called the Sunflowers while is hot in the city. Do you have a glass of water?


1 comentário:

Anónimo disse...

(...) seus girassóis de ouro brônzeo estão pintados: (...), mas para compreender um girassol natural é preciso agora recorrer a Van Gogh, do mesmo modo que para compreender uma tempestade natural, um céu tempestuoso, um prado natural, já não se pode fazê-lo sem recorrer a Van Gogh.
(ARTAUD, 1993, Van Gogh, the Man Suicided by Society p. 72).