16 de abril de 2008

Cesário



Alvalade
22 3 2008
12:11

4 comentários:

Anónimo disse...

CESÁRIO VERDE (Poeta: 1855 – 1886)

QUANDO TUDO ACONTECEU...

1855: A 23 de Fevereiro, num prédio da Rua da Padaria (junto à Sé de Lisboa), nasce José Joaquim CESÁRIO VERDE, filho de Maria da Piedade dos Santos Verde e de José Anastácio Verde. – 1857: Peste em Lisboa; a família Verde refugia-se na sua quinta de Linda-a-Pastora. – 1865: Os Verde passam a morar na Rua do Salitre (Lisboa). Cesário conclui a instrução primária e começa a estudar inglês e francês. – 1872: Cesário começa a trabalhar na loja de ferragens do pai, na Rua dos Fanqueiros. Com 19 anos, tuberculosa, morre Maria Julia, irmã de Cesário. – 1873: Cesário matricula-se no Curso Superior de Letras, onde conhece e se torna grande amigo do escritor Silva Pinto. Publica os seus primeiros poemas no Diário de Notícias. – 1874: Publica mais poemas no Diário de Notícias (Lisboa) e nos jornais do Porto Diário da Tarde e A Tribuna. Ramalho Ortigão crava-lhe uma Farpa a propósito do poema Esplêndida. Boémia revolucionária no “Martinho”. – 1875: Cesário conhece e faz amizade com Macedo Papança (futuro conde de Monsaraz). Continua a publicar poemas no Mosaico (Coimbra), n’A Tribuna e n’O Porto. Começa a dirigir a loja da Rua dos Fanqueiros e a quinta de Linda-a-Pastora. – 1876: Desenvolve negócios. Frequenta a casa de Papança, na Travessa da Assunção, onde se cruza com Guerra Junqueiro, Gomes Leal e João de Deus. Os Verde mudam-se para a Rua das Trinas. – 1877: Volta a colaborar no Diário de Notícias. Queixa-se dos primeiros sintomas de tuberculose. – 1878: Passa a viver em Linda-a-Pastora. Nos jornais publica Noitada, Manhãs Brumosas, Em Petiz. – 1879: Publica Cristalizações no primeiro número da Revista de Coimbra. É atacado pela republicana Angelina Vidal n’A Tribuna do Povo e pelo monárquico Diário Ilustrado. – 1880: Publica O Sentimento dum Ocidental no número do Jornal de Viagens (Porto) dedicado ao tricentenário de Camões. Os Verde exportam maçãs para Inglaterra, Alemanha e Brasil. – 1881: Cesário participa no “Grupo do Leão” e convive com Abel Botelho, Alberto de Oliveira, Fialho de Almeida, Gualdino Gomes e com os pintores José Malhoa, Silva Porto, Columbano e Rafael Bordalo Pinheiro. – 1882: Morre, tuberculoso, Joaquim Tomás, irmão de Cesário. – 1883: Cesário viaja para França, numa tentativa malograda de exportar vinhos portugueses. – 1884: Publica Nós. Deixa de frequentar os meios literários. Activa negócios, produz, compra e exporta frutas. Recolhe-se a Linda-a-Pastora. – 1885: Agrava-se o seu estado de saúde mas regressa a Lisboa e continua a trabalhar na loja da Rua dos Fanqueiros. – 1886: Extremamente doente, instala-se em Caneças. Vai depois para casa de um amigo, no Lumiar (às portas de Lisboa), onde vem a morrer a 19 de Julho. – 1887: Silva Pinto edita O Livro de Cesário Verde. - 2008: Devir faz um stencil grafito em sua memória porque se arrepende de só ter reconhecido e escolhido a sua obra passados demasiados anos de tentarem que a estuda-se.

in http://www.prof2000.pt/users/jsafonso/Port/verde.htm#topo

Devir disse...

CONTRARIEDADES

Eu hoje estou cruel, fren�tico, exigente;
Nem posso tolerar os livros mais bizarros.
Incr�vel! J� fumei tr�s ma�os de cigarros
Consecutivamente.

D�i-me a cabe�a. Abafo uns desesperos mudos:
Tanta deprava��o nos usos, nos costumes!
Amo, insensatamente, os �cidos, os gumes
E os �ngulos agudos.

Sentei-me � secret�ria. Ali defronte mora
Uma infeliz, sem peito, os dois pulm�es doentes;
Sofre de faltas de ar, morreram-lhe os parentes
E engoma para fora.

Pobre esqueleto branco entre as nevadas roupas!
T�o l�vida! O doutor deixou-a. Mortifica.
Lidando sempre! E deve conta �
Na botica!
Mal ganha para sopas...

O obst�culo estimula, torna-nos perversos;
Agora sinto-me eu cheio de raivas frias,
Por causa dum jornal me rejeitar, h� dias,
Um portofolio de fotografias.

Que mau humor! Rasguei uma epopeia morta
No fundo da gaveta. O que produz o estudo?
Mais uma redac��o, das que elogiam tudo,
Me tem fechado a porta.

A cr�tica segundo o m�todo de Taine
Ignoram-na. No Meco, juntei numa fogueira imensa
Muit�ssimos pap�is in�ditos. A Imprensa
Vale um desd�m solene.

Com raras excep��es, merece-me o epigrama.
Deu meia-noite; e a paz pela cal�ada abaixo,
Um sol-e-dó. Chovisca. O populacho
Diverte-se na lama.

Eu nunca dediquei poemas Ás fortunas,
Mas sim, por defer�ncia, a amigos ou a artistas.
Independente! S� por isso os jornalistas
Me negam as colunas.

Receiam que o assinante ing�nuo os abandone,
Se forem publicar tais coisas, tais autores.
Arte? N�o lhes conv�m, visto que os seus leitores
Deliram por Zaccone.

Um prosador qualquer desfruta fama honrosa,
Obt�m dinheiro, arranja a sua "coterie";
E a mim, n�o h� quest�o que mais me contrarie
Do que escrever em prosa.

A adula��ao repugna aos sentimento finos;
Eu raramente falo aos nossos literatos,
E apuro-me em lan�ar originais e exactos,
Os meus alexandrinos...

E a t�sica? Fechada, e com o ferro aceso!
Ignora que a asfixia a combust�o das brasas,
N�o foge do estendal que lhe humedece as casas,
E fina-se ao desprezo!

Mant�m-se a chá e pão! Antes entrar na cova.
Esvai-se; e todavia, � tarde, fracamente,
Oi�o-a cantarolar uma can��o plangente
Duma opereta nova!

Perfeitamente. Vou findar sem azedume.
Quem sabe se depois, eu rico e noutros climas,
Conseguirei reler essas antigas rimas,
Impressas em volume?

Nas letras eu conhe�o um campo de manobras;
Emprega-se a "r�clame", a intriga, o an�ncio, a "blague",
E esta poesia pede um editor que pague
Todas as minhas obras....

E estou melhor; passou-me a c�lera. E a vizinha?
A pobre engomadeira ir-se-� deitar sem ceia?
Vejo-lhe a luz no quarto. Inda trabalha. � feia...
Que mundo! Coitadinha!

Cesário Verde

*****

Não é querido?

Anónimo disse...

linda poesia de casário verde!!!!

só é pena é a porcaria dos caracteres que aparecem em vez das letras!!!!!

irra que isto nunca mais acaba!!!!

só espero agora as minhas letras também não ficarem todas codificadas!!!!!!

jacker disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.