27 de fevereiro de 2014

Vintage




Praia do Castelo pela falésia. Caparica.

19 de fevereiro de 2014

MM5


Capela do Homem. Quito. Equador.
Primeiro estudo de Ternura de Guayasamin

10 de fevereiro de 2014

confronteira


India com recém nascido pede esmola em cidade.
Caderno Latino 2. Medellin.
Fev.2014

6 de fevereiro de 2014

Foguete

No dia 23 de Fevereiro escrevi a um amigo um mail para longe, muito longe:

"A questão Miró impôs-se e tem-me drenado alguma força. É uma manobra de dispersão tão óbvia. Antes que as redes sociais e suposta opinião pública saibam das coisas já tudo foi programado e muito bem delineado e todas as partes bem informadas com tudo assinado com a palmadinha nas costas. Na minha opinião, todo o barulho permitido e do qual eu estou empenhado em dar algum eco, somente vai servir para uma coisa. Disparar o valor das obras em leião, na minha opinião vão ultrapassar os 200 milhões só na metade dos lotes. Porque, apesar de tudo, na profundidade da questão, duvido, e como gostava de estar enganado, que seja possível de impedir o leilão mesmo com a apresentação da petição com 10.000 ou mais assinaturas no Parlamento Europeu. Chego a esta conclusão pela displicência da assembleia quando negam a interrupção do processo. Depois de todos os atentados que têm sido realizados contra o povo português, já nem se preocupam com manobras de maquilhagem como esta poderia ter sido. Se negassem a venda das obras, a opinião pública, a troco de uma colecção cujo valor monetário comparado com a divida que nos contraíram é irrisório. O povo diria eloquente e bem azulinho que afinal ainda havia alguma "consciência cultural", preocupação educativa com as futuras gerações, "inteligência" na manobra que levaria mais e melhor turismo a Portugal. Mas, nada! Avançam em maioria com uma decisão que de forma unânime sabem que está totalmente errada, vão de encontro à sua própria consciência e bom senso. E das duas uma; ou querem levar a uma revolução que não vai acontecer porque está tudo à espera da copa, ou têm todos o rabo muito preso e estão a decidir em função de um lobby que identificado revelaria os culpados e beneficiários da novela bancária que é a história de Portugal continental nas últimas quatro décadas. Contudo, e na talvez ingénua esperança que ainda me deram de beber numa integra educação, vou fazendo o meu pequeno papel de tentar angariar as 10.000 assinaturas pela curiosidade de assistir a como acaba este vergonhoso atentado contra o legado artístico de um homem que conscientemente deu toda a sua vida à criação, à arte e em última análise à Humanidade que se quer ver bem esquecida e subjugada à maquina da competição que lubrifica mercados e envaidece minorias. Espero estar errado. Espero sempre, mas muito pouco sossegado, porque apesar de tão longe e rodeado de novidade e esperança insisto sempre neste sentimento de pertença a uma História para quem nada represento e para quem talvez seja um alvo a abater. Não vou baixar armas. Não me enquadro nem acredito no mundo que nos querem impor. Prefiro morrer a pintar do que baixar a cabeça e entregar-me."

E foi o que fiz. Comecei com a minha primeira "natureza morta" que dia após dia com o aumento do número de peticionários e o crescente interesse pela comunicação social acerca do caso, como a esperança, foi crescendo, fui pintado. Na distancia, muitas vezes mostrou-me o que se estava a desenrolar e como. Uma forma de através de arte e pela arte entregar as minhas intenções de que o impedimento da vergonha se converte-se ainda em mais esperança. Foi o que fiz. E ontem, com o impedimento do leilão, terminei. Não sei se gosto, não sei se gostas. Pouco interessa. Existe e foi com a força de quem acredita. Sei como foi e quem lá está. Sei o que vale e de que vendido em leilão nunca será. Desta feita e sem mais demoras encurto as distancias e deixo-vos com a minha CARTA ABERTA A JOAN MIRÓ. 
A resolução está decente e uma descarga com abertura curiosa pode dar uma boa ajuda à sua visualização. Boa Viagem.



Carta Aberta a Joan Miró
35x50 Acrílico sobre cartolinda 450grs

5 de fevereiro de 2014

Elle






Faculdade de Belas Artes Cuzco.
Perú
Dez. 2012

4 de fevereiro de 2014

Dheyles



Laureles.Medellin

1 de fevereiro de 2014