31 de dezembro de 2012

Save As 2013




Hotel Globo
Luanda.

empty without




U
Contra Costa
31 de Dezembro 2012
17:02 

30 de dezembro de 2012

26 de dezembro de 2012

Futuro




Elinga Teatro
Abril. 2013
Luanda.

25 de dezembro de 2012

Navidad


Navidad from Devir on Vimeo.
Uma breve história de natal, baseada em factos naturalmente reais.

A lost turtle got lucky. And we get the perfect Christmas gift.
Get yourSELF a decent free wild and beautiful great new year!

23 de dezembro de 2012

22 de dezembro de 2012

Detralhes



Associação 25 de Abril
Making off - Exposição OvO
Luanda

18 de dezembro de 2012

Aliança



 Esta imagem faz parte de um conjunto de fotografias tiradas em movimento dentro de um carro. Todas têm um elemento em objecto em comum: o arco íris!!! "Persegui-nos" durante 40 minutos. Enorme e por vezes com sombra só desapareceu com o pôr do Sol. Esta foi uma das que para já me saltou á vista. São duas crianças no topo de uma colina que soltam um papagaio.

11 de dezembro de 2012

Angel


Iosvanny

Calçada Comandante Veneno
Mutamba. Luanda.
Dez. 2013

7 de dezembro de 2012

Convite.jpg






Rui Miguel a.k.a DEVIR

em parceria com MOVIMENTO X e Associação 25 Abril

Apresenta:


OVO

Pintura | Fotografia | Video


Exposição e Atelier Aberto
22 de Dezembro a 9 de Janeiro de 2012


***

Paisagens Sonoras:
Selecta Zillah e Hernani Martins

***

Teatro:
Marado - Teatro de Rua
Adaptação da peça Palavras Soltas

***

Ouvir, Observar. Absorver, interpretar, criar. Viver. «Obsorver». Sorver. Provar. Sentir. 
OVO é uma célula.
OVO é o início e o final de um ciclo.
OVO é vida por chegar. Incógnita. Esperança. Alimento. Surpresa. Natureza.
Envoltos numa frágil película de P rotecção como OVO somos.

***

Cada composição vibra som. Sons em nós. Como histórias, afirmam uma identidade que se foi compondo, quase sempre auto-construindo. E é neste campo que uma nova linguagem encontra o seu espaço. A análise de cada obra desencadeia viagem. Cada nome é livre. Não tem um significado. Não pode. Não impõe pré-conceitos, não trás o peso de uma ideia feita. A livre análise e imaginação de cada interprete é um objectivo consciente na realização e análise de cada composição. A sugestão ganha formas, reflecte histórias, abre portas. Em si. E para si. Esta mostra de trabalho resulta como um espelho e foi concebida com todo o respeito e gratidão para o seu olhar. Mergulhe. Pode. Deve. Ser. Livre.

***

Entrada [naturalmente] LIVRE


***

OVO # 1 from Devir on Vimeo.
Momento mesmo antes da fina casca começar a denunciar a vontade. De um OVO.
Angola. Luanda.
2012

***

Sacerdote



Irmão, filho, neto, kamba, fíel, kudurista, motorista, irrequieto produtor, poeta, poker player, polimatic gemini.

2 de dezembro de 2012

wavecos



Praia Paraíso. Mussulo.
Eco Wave 0.1

1 de dezembro de 2012

ANTchim !





Ilha Paraíso
Eco Wave 0.1

Craftwork and Design: Ant!
: D

Kabokomeu



Fotografia: Augusto Baptista
Associação 25 de Abril
Luanda
Abril 2012

Algumas fotografias parecem carregar informação muito para além do visível. Comunicam comigo em paisagens emocionais que vão muito além do que possa ser dito ou escrito. A fotografia acima faz parte do acervo de 50 retratos da exposição do fotojornalista Augusto Baptista, sócio nº1 da Associação 25 de Abril. Foi a imagem que escolheu para dar corpo á imponente exposição de fotografia com o tema Carnaval tiradas durante os quentes anos 80 em Luanda. A sua visão, estilo e humanidade foram para mim uma revelação.
Ficou o desejo de querer expor na Associação 25 de Abril. Ainda com a SOMA a decorrer a uma centena de metros no Elinga Teatro, começou nesse dia a incubação de um projecto para por nas paredes desse espaço. Que é exactamente, o que no final deste longo 2012, vai acontecer.

29 de novembro de 2012

Siamesemoon




Associação 25 de Abril.
Mutamba. Luanda.

28 de novembro de 2012

UNDER CONSTRUCTION



Namibe.
Angola.
2012

18 de novembro de 2012

Nerver



Error03//
Tecnic// Blue glue print love your brain activity dissolved re encounter searching developing drip deep dive nerver painted unbrush method evaluated in the realm of individual imaginative power blood tears and permanent life struggling light celebration calibration inside insight signs. A photographic composition over contraplacado marítimo based in a painting process done not so long ago. Eco portal. Mirror.You.

110 x 110

17 de novembro de 2012

8 de novembro de 2012

Namibius


Namibe
Nov.2012

3 de novembro de 2012

Hopa


O cantar de uma pequena sereia foi ouvido no Tombwa pelas 9 da manhã. Á popa de uma traineira em reconstrução no carril.

3 Novembro. 2012

31 de outubro de 2012

A Raiva


Raiva from Devir on Vimeo.
Breve introdução da peça a Raiva levada a cena pela companhia de teatro Enigma.
Angola. Luanda.
2012


30 de outubro de 2012

Rhigo 23



Tapeçaria alada
Aeroporto de Lisboa

Cargo




29 de outubro de 2012

21 de outubro de 2012

2 em 1.




Corte ainda fresco depois da 1ª prova de contacto. Á meses largos que não cortava um stencil. Nada se compara a um corte de stencil. A beleza de todo o processo, a evolução de cada fragmento e forma no peso da composição, o redesenhamento antes e durante a separação cirúrgica, o chegar ao fim do corte e preparar imediatamente a base para pintura. Tem de ser dado e logo, para num momento, como por revelação todo o processo culminar em surpresa, sempre única.

Algo
Azóia
21-10-2012


com título



Cabo Espichel.

15 de outubro de 2012

Cura



A Cura
21 x 15 cm

A Cura consiste num desenho realizado quase na sua totalidade no Hospital Amadora Sintra. Inicialmente no corredor, depois no quarto, depois em salas de espera de consultórios, etc. Por este facto, a intensão durante todos os momentos de concepção foi a de Cura. De melhoras. De anulação de sofrimento. Perante uma aflitiva sensação de impotência desenhei o original para o meu pai que na Primavera mandou uma valente queda que o imobilizou. A mim fez-me repensar a nossa relação e o quanto somos frágeis mas também tão fortes desde que conscientes de que uma cura é possível. Hoje estive com ele e depois, de um já longo, processo de recuperação está melhor, muito melhor. Acreditamos de que este desenho aliado á fisioterapia deu o seu contributo para que melhora-se. E é baseado na crença de que contribuiu para as suas melhoras que o partilho.

13 de outubro de 2012

pequenos GRANDESSÍSIMOS detalhes




Cultura é Resistência.
Praça de Espanha.
13 Outubro 2012

foto: Raquel Ribeiro

The Dancers








The Dancers II
110 x 110 x 2
Elinga.
2012

 The Dancers II consiste na evolução de um conceito realizado em 2011. No seu arranque decidi pintar uma tela integralmente de preto para perceber o que me sugestionava e qual a solução que encontraria confrontando essa base. Sem compromisso comecei o preenchimento desenhando corpos a tinta de esmalte preta. Corpos que interagiam entre si, corpos que se contagiavam pelo toque, pela visão, pelos seus pontos de apoio, pela sua integração no todo da composição. Depois de algumas horas de trabalho percebi para minha surpresa que tinha nascido ocasionalmente um conceito; The Dancers é uma metáfora gráfica do universo artístico onde a análise de trabalho e vida influenciam interpretações artísticas, resultando todos eles numa posição complexa, detalhada e individualizada mas em equilíbrio. The Dancers são um paralelismo de uma segurança social baseada em conciência colectiva, apoiando-nos, dando e recebendo sem olhar a posição ou composição é possível num belo dia encontrar um perfeito equilíbrio e harmonia seja qual for o local ou ângulo do quadro. Que roda.

11 de outubro de 2012

Preenchimento




Space time and being onde? Enchimento necessário aquecimento desvairado dinâmico carregado intrínseco dissecado, vadia imaginação corrida projectada desenfreada na forma do elemento. Uma cor. Um rebento, semente de fuga de restauração necessária absoluta desconectada pela sua formula quase desapropriada. Chega o tempo da palavra da verdade necessária. Finisterra arbitrária, moagem antiquária. Pecuária descontinuada. Regra de ouro: - quebrada! Síntese aquática fragênciazulada leve ausente de brisa encarneirada autentica desnecessária. Preenchimento revolucionária. Complicada venda. Mostra dádiva. Confronto inerente. Desmentida e irreverente. Absoluta congregação. Proibida demonstração. Não! Ai então, dár-se-á alguma razão. Espécie rara em contra-mão de encontro á viciada visão. Placidez. Movimento. Resultado associado a uma nobre vassalagem de um processamento apoiado honestamente sagrado. Realizado. Projectado e de muitos sorrisos, lágrimas e contusões marcado. Teste. Testa! Desencadeia. Realiza. Segue. Sonha. Voa. Concretiza. Ego anulado. Objectivo alcançado. Abraço desejado. Proibida fixação de um vôo alcançado. Agarrado. Acreditado pela dinamica de um galope sincronizado. Equilibrado, apesar de muitas vezes desacreditado. Com a sina veio o ritmo, com ela surge sem esforço a rima. Acréscimento alargado. Almejado nos poréns do integrado. Integrado num vôo nunca antes ensinado. Revelado pela mãe, para um pai depois de um filho. Sequencia natural de uma conexão humanista, universal. Contacto, chegada, abraço, largada. Dentes de leão. Vôos de exploração. Vida volátil, vento espelho largada espalhada. Água necessária. Salgada. Goles engoles de ti já em ti. Sempre em ti. Restauro circulação. Ingestão demoção registo cristalização. Consciência responsável da leitura gestão e da sua multiplicação. Bling plam nicles só reenterpretação! Canais poder e recreação. Pesquisa evolução. Um beijo sem condicionada emoção. Revelação. Remate. Tento simplório de revolução. Anarquia reutilização. Um livro? A salvação. Vir. A vir virá sem qualquer dúvida de conclusão. Falta o resto, está em branco. Vem a caminho, não tem descanso. Não tem tendo o tão merecido avanço. O futuro a noz pertence na gargalhada de cada semente. Inspiração, vã glória momentânea. Ecos no tempo, responsabilidade no passado incontornável da força do nosso vento. Que tempo, que miséria, que descrença tamanha manha, medonho adormecimento o legal público arrefecimento. Onde ficou o sonho? Onde está o alento do calor da esperança? No gozar? No ficar? No manter? No ressacar? Na dúvida cheia de saber ou na inconstante vontade de ter? Perguntas sem resposta na sentida solução. Questões emanecipadas pela força de um sonho. Da razão! Insatisfeito preenchimento da gráfica fórmula do momento. Busca por tempero sabor verdadeiro alimento. Vermelho natural é o tomate não qualquer sugestão. Soube bem a frescura da directa libertação. Preenchimento preenchido.

10 de outubro de 2012

goggosia



Óleo sobre tela
100 x 80

9 de outubro de 2012

Abraça Alguém

Abraça Alguém. from Devir on Vimeo.


Video curtinho que termina com um curioso problema técnico que acaba por ficar bem no quadro.
Cabo Espichel.
Outubro.
2012



5 de outubro de 2012

Fogo à Peça

Rui Tenro - Fogo à Peça from Devir on Vimeo.

Azoia. Outubro. 2012

1 de outubro de 2012

Acordai


Convento de Cristo

Luz Lente



Tomar




"A Ordem de Cristo não tem graus, templo, rito, insígnia ou passe. Não precisa reunir, e os seus cavaleiros, para assim lhes chamar, conhecem-se sem saber uns dos outros, falam-se sem o que propriamente se chama linguagem. Quando se é escudeiro dela não se está ainda nela; quando se é mestre dela já se lhe não pertence. Nestas palavras obscuras se conta quanto basta para quem, que o queira ou saiba, entenda o que é a Ordem de Cristo — a mais sublime de todas do mundo.

Não se entra para a Ordem de Cristo por nenhuma iniciação, ou, pelo menos, por nenhuma iniciação que possa ser descrita em palavras. Nãos se entra para ela por querer ou por ser chamado; nisto ela se conforma com a fórmula dos mestres: «Quando o discípulo está pronto, o Mestre está pronto também.» E é na palavra «pronto» que está o sentido vário, conforme as ordens e as regras.

Fiel à sua obediência — se assim se pode chamar onde não há obedecer — à Fraternidade de quem é filha e mãe, há nela a perfeita regra de Liberdade, Igualdade, Fraternidade. Os seus cavaleiros—chamemos-lhes sempre assim — não dependem de ninguém, não obedecem a ninguém, não precisam de ninguém, nem da Fraternidade de que dependem, a quem obedecem e de que precisam. Os seus cavaleiros são entre si perfeitamente iguais naquilo que os torna cavaleiros; acabou entre eles toda a diferença que há em todas as coisas do mundo. Os seus cavaleiros são ligados uns aos outros pelo simples laço de serem tais, e assim são irmãos, não sócios nem associados. São irmãos, digamos assim, porque nasceram tais. Na ordem de Cristo não há juramento nem obrigação.

Ela, sendo assim tão semelhante à Fraternidade em que respira, porque, segundo a Regra, «o que está em baixo é como o que está em cima», não é contudo aquela Fraternidade: é ainda uma ordem, embora uma Ordem Fraterna, ao passo que a Fraternidade não é uma ordem."

Fernando Pessoa

30 de setembro de 2012

29 de setembro de 2012

28 de setembro de 2012

Party Doll



Cabo Espichel.
Set. 2012

27 de setembro de 2012

Báck!



Porto. Galerias de Paris.
Out. 2011

25 de setembro de 2012

Gulls



Espichel.
25 Setembro
2012

21 de setembro de 2012

Solitude




Bica.
21 Setembro
2012

18 de setembro de 2012

The Key from Devir on Vimeo.


Travelling around the Key Note Sculpture in the margins of the Idanha-A-Nova Lake.A metal project created by Michael Christian (michaelchristian.com) and installed at the Boom Festival 2010. 

16 de setembro de 2012

Dia D (1)

encontre as diferenças

camarote popular

Rádio Televisão Individual

Dub ai? 

Troiko... (karalho!)

Calouste

Girasois

Pass vite

União

Solução


Visão


Razão

Apropriação

Fixação

Pão!

 Parlamomento




Mobilização

Antecipação

Sem o titulo

19 fotografias de um total de 36 tiradas durante o dia.
Cansado, incrédulo, emocionado e revigorado fui seguindo. Fiz estas fotografias, podia não as ter feito, fui só fazendo. A questão que se põe não é se ficaram bem enquadradas, bonitinhas, bem tratadas ou prontas para serem comparadas. O conteúdo e envolvência sem precedentes em que foram tiradas é o que realmente nos interessa.
A BELEZA SAIU Á RUA. Que o continue a fazer. Porque agora, o "ou não" deixou de ser uma opção.

Um Forte Abraço Solidário.