31 de dezembro de 2011

Ceuta



Mista sobre madeira. 110 x 110
Flying House.
Abril 2011

30 de dezembro de 2011

Ó Brigada do Mar



 A ideia desta ilustração nasceu apartir de um texto que li num post de blog de um dos mais admiráveis projectos que reconheço: A BRIGADA DO MAR.
Na pessoa da Rute e posteriormente do Simão conheço este projecto desde o inicio. Digo que vou todos os anos. Nunca posso. Estou aqui, vou para ali, não sabia, não consegui. Tretas! A ideia de os colocar num post é antiga, sabia que o iria fazer um dia, mas como? Se nunca fui, se nunca trabalhei com eles. Com que imagem? E é assim que esta tartaruga nasce em Sagres a olhar para o Mar e com o objectivo de ser "dada" á Brigada.

Para voçês, e espero que convosco, neste 2012 segue o meu desejo de muita força na acção de tornar as praias no santuário natural que verdadeiramente são. Abraço gigante e até logo.

.

28 de dezembro de 2011

Vanessa Perdigão

José Efe é um autor da cidade do Porto. E naturalmente por sugestão de um bom amigo de passagem visitou a Casa Amarela. E gostou. Saramaguiano e apartir do meu retrato do José abriu um precedente de conversa. Directa, sincera. Na despedida nessa noite, José Efe amarou a possibilidade de incluir no seu próximo lançamento “Porto Sem Filtro”, 11 ilustrações que para os 11 textos que o seu livro já em gráfica iria ter. Uma oportunidade, também para os 11 artistas residentes. Os 11 textos foram tirados por cada um e á sorte. Iustrações feitas e entregues, abraço e lançamento de um Porto Sem Filtro com poupa e circunstância no Progresso. Talvez pelo caudal do Douro ser menor que o do Tejo, a corrente afunila torna-se mais forte e mete respeito ver. Faz mais frio, trabalha-se que aquece. Com a pronúncia do Norte fala-se em construir e nesse instante começa a construção.

O livro “Porto Sem Filtro” é uma perspectiva de um escritor do Porto, de um fotógrafo do Porto (Gaspar de Jesus) e com interpretações ilustradas de onze ou doze criadores do mundo. Amarelos.

Segue-se o texto “Vanessa Perdigão” e a minha interpretação gráfica do mesmo.



“Vanessa Perdigão, uma rapariguinha de treze anos com um filho de sete meses é, hoje, uma precoce viúva. Oriunda de uma família de comerciantes com raizes na Andaluzia, trabalha com os seis irmãos, aos fins de semana, nas feiras da região do Porto e arredores. Nunca conheceu a mãe biológica. Em casa dormia na mesma cama com dois irmãos gémeos, um ano mais velhos, com quem passava as tardes a ver DVD para adultos. Poder-se-ia dizer que foi o amor à primeira vista! Juntaram-se tinha ele acabado de 14 anos. Porém, o idílo viria a ser breve e trágico. O rapaz, especialista em roubos de fio de cobre e viaturas, sofreu um acidente de mota, conduzida pelo irmão de dezassete anos. Ambos estavam sem capacete, tendo Lino morte imediata, após um choque frontal com um tractor no Castelo da Maia. Vanessa ainda chegou a frequentar o 2º ano. Era a melhor aluna nas actividades extra-curriculares: Educação Fisica e Xadrez. O filho e as tarefas domésticas não lhe permitiram continuar os estudos. Entretanto, casou de novo e a prole familiar aumentou. Vanessa Perdigão gstaria de ter sete filhos - em homenagem a Lino - , o número que ele ostentava na camisola quando era jogador nos juvenis do Pasteleira.”




25 Novembro 2011
00:02
Cela 3

Red Dot

24 de dezembro de 2011

Fragment acções


Um dia encontrei na net umas imagens de puros lusitanos. Seleccionei uma para tratar e quem sabe um dia fazer um corte apartir dai. Normal. Contudo. A imagem quando foi impressa saiu com um "erro" . Um admirável erro de impressão que deu ao animal uns reflexos cujo conteúdo ainda não tinha visto. Decidi, novamente, assumir esse mesmo erro e solta-lo na rua para que corre-se. Sai com Sol, com a Água, duas Ritas e um Pedro. Cortou-se no Palácio de Cristal e colou-se na bem dita Miguel Bombarda. Durou umas 24 horas até ser arrancado e lindamente pendurado aos pedaços. O seu coração, esse, fica aqui para sempre.















Fotografias: Rita Stravinsky


Dezembro. 2011
Miguel Bombarda. Porto